6:25 pm - quinta-feira abril 17, 2014

Solo: Formação e tipos de solo.

 

Solo

 

Formação e tipos de solo

 

 

Divulgação/EsalqO solo é a camada mais superficial da crosta terrestre

 

Imagine que você está em um parque deitado sob uma árvore grande, em cima da grama macia. Nesse gramado, há alguns arbustos floridos. Ao inspirar, sinta o aroma delicioso dessas flores, trazido pela brisa que sopra suavemente. Agora, veja-se em uma praia de mar azul. Imagine-se caminhando pela areia macia até a beira da água. Tudo isso é muito bonito e agradável, não é? Mas nada disso existiria sem o solo.

Sem o solo, todas as paisagens seriam iguais e teriam o aspecto de uma enorme pedreira, assim como uma selva de pedras. O solo é a camada mais superficial da crosta terrestre, e em geral, é chamado também de “terra” ou “chão”. Ele é o resultado de muitos anos de “trabalho” da natureza.

A formação do solo

Há milhões de anos, não havia solo, mas sim enormes rochas dos mais variados tamanhos – conhecidas como “rocha-mãe”. As chuvas, o vento, o calor e o frio, fizeram com que o enorme rochedo começasse a ruir.

Nessas rachaduras, instalaram-se os líquens – que produziam uma espécie de ácido capaz de dissolver pequenas porções de rocha. A ação desses organismos continuou a desgastar as rochas que se quebraram em pedaços menores, deixando espaços entre si.

Chegou um momento em que as rochas haviam se quebrado tantas vezes que se tornaram pequenos grãos! Finalmente, esses dividiram-se em partes cada vez menores até tornarem-se minerais. A partir daí, plantas maiores puderam se desenvolver, e então os animais – as plantas surgiram antes dos animais.

Restos dos vegetais (lembre-se que plantas são vegetais) e animais mortos ao entrar em decomposição enriqueciam o solo em formação,de nutrientes. Esses, chamados de húmus misturavam-se com os minerais. O solo é o resultado dessa mistura.

Após milhares de anos, a camada de solo depositada sobre a rocha-mãe, estava mais espessa e continuava a engrossar . Muitos tipos diferentes de solo se formaram, conforme a quantidade de minerais e nutrientes que predominava em cada ambiente.

Tipos de solo

Existem diversas espécies diferentes de solo, as quais variam conforme a sua composição. Entretanto, alguns elementos estão presentes em toda a sorte de solo. São eles a argila, areia, húmus, e o calcário misturados. Conforme variam as quantidades dessas substâncias, o tipo de solo varia também.

Solos arenosos, por exemplo, possuem mais areia na sua composição.Esses são muito permeáveis, pois como os grãos de areia são relativamente grandes, deixam a água e o ar passarem com facilidade. Para conferir, basta colocar um pouco de areia em uma peneira e colocá-la debaixo de uma fonte de água corrente -como uma torneira aberta, por exemplo. A água irá atravessar a areia com a maior facilidade!

Os solos que contém mais argila, são chamados argilosos. Ao contrário da areia, a argila possui grãos bem pequeninos e achatados. Isso faz com que o solo argiloso “segure” a água, e não permite que ela o atravesse – esse tipo de solo é denominado impermeável. Por isso a argila “encharca” com facilidade.

Se você for plantar uma violeta, escolha uma terra de cor marrom bem escuro – diga ao vendedor da loja de plantas que precisas de terra de solo humífero. Esse é um tipo de solo riquíssimo em nutrientes e as violetas o adoram!

Existem dois tipos de húmus: o vegetal, formado pela decomposição das plantas, e o de minhoca. Esses bichinhos deixam o solo fértil ao escavarem galerias arejando a terra. Conforme esses bichinhos cavam seus túneis, engolem um pouco de terra. Então, os grãos de solo engolidos, passam pelo corpinho da minhoca e são eliminados com suas fezes, enriquecidos de nutrientes.

Os ossos dos animais mortos, e conchas abandonadas por moluscos, deixam o solo rico em calcário que recebe este mesmo nome:solo calcário.

As plantas sabem escolher

Cada tipo de planta “sabe” o melhor tipo de solo para viver. Por exemplo, o cafeeiro (árvore que produz o café), desenvolve-se muito bem em solos argilosos. Nem tente plantar uma árvore de café em solo humífero pois ela não vai nascer!

As laranjeiras, se plantadas em solo calcário, darão frutos mais doces como prêmio. Já as palmeiras crescem melhor em solos arenosos. O alecrim “gosta” muito de solos humíferos assim como as violetas. Isso acontece porque cada tipo de solo fornece às plantas quantidades variadas de nutrientes e de água.

Solo e lixo

O solo é o produto da ação dos seres vivos, e de fenômenos da natureza. Ele existe por causa do ciclo de nascimento vida e morte dos seres vivos. O ser humano utiliza o solo como base de construção de casas, ruas, avenidas e também para produzir o seu alimento através da agricultura.

Entretanto, o lixo produzido pelos humanos é jogado ou enterrado no solo causando sua poluição. A contaminação do solo traz doenças como verminoses (causadas por vermes) e intoxicação para o próprio ser humano. Procure não jogar lixo no chão e procure saber como reciclar. Um solo sujo também impede o crescimento de plantas e faz com que os animais adoeçam. Pense em como seria um mundo sem esse recurso tão especial.


Fonte: http://educacao.uol.com.br/ciencias/solo-formacao-e-tipos-de-solo.jhtm

 

Tipos de solo

O tipo de solo encontrado em um lugar vai depender de vários fatores: o tipo de rocha matriz que o originou, o clima, a quantidade de matéria orgânica, a vegetação que o recobre e o tempo que se levou para se formar.

Em climas secos e áridos, a intensa evaporação faz a água e os sais minerais subirem. Com a evaporação da água, uma camada de sais pode depositar-se na superfície do solo, impedindo que uma vegetação mais rica se desenvolva.

Já em climas úmidos, com muitas chuvas, á água pode se infiltrar no solo e arrastar os sais para regiões mais profundas.

Alguns tipos de solo secam logo depois da chuva, outros demoram para secar. Por que isso acontece? E será que isso influencia na fertilidade do solo?

  • Solos arenosos são aquele que têm uma quantidade maior de areia do que a média (contêm cerca de 70% de areia). Eles secam logo porque são muito porosos e permeáveis: apresentam grandes espaços (poros) entre os grãos de areia. A água passa, então, com facilidade entre os grãos de areia e chega logo às camadas mais profundas. Os sais minerais, que servem de nutrientes para as plantas, seguem junto com a água. Por isso, os solos arenosos são geralmente pobres em nutrientes utilizados pelas plantas.

  • Os chamados solos argilosos contêm mais de 30% de argila. A argila é formada por grãos menores que os da areia. Além disso, esses grãos estão bem ligados entre si, retendo água e sais minerais em quantidade necessária para a fertilidade do solo e o crescimento das plantas. Mas se o solo tiver muita argila, pode ficar encharcado, cheio de poças após a chuva. A água em excesso nos poros do solo compromete a circulação de ar, e o desenvolvimento das plantas fica prejudicado. Quando está seco e compacto, sua porosidade diminui ainda mais, tornando-o duro e ainda menos arejado.

Solo argiloso.

Solo argiloso compactado pela falta de água.

 

  • A terra preta, também chamada de terra vegetal, é rica em húmus. Esse solo, chamado solo humífero, contém cerca de 10% de húmus e é bastante fértil. O húmus ajuda a reter água no solo, torna-se poroso e com boa aeração e, através do processo de decomposição dos organismos, produz os sais minerais necessários às plantas.

Os solos mais adequados para a agricultura possuem uma certa proporção de areia, argila e sais minerais utilizados pelas plantas, além do húmus. Essa composição facilita a penetração da água e do oxigênio utilizado pelos microorganismos. São solos que retêm água sem ficar muito encharcados e que não são muito ácidos.

  • Terra roxa é um tipo de solo bastante fértil, caracterizado por ser o resultado de milhões de anos de decomposição de rochas de arenito-basáltico originadas do maior derrame vulcânico que este planeta já presenciou, causado pela separação da Gondwana – América da Sul e África – datada do período Mezozóico. É caracterizado pela sua aparência vermelho-roxeada inconfundível, devida a presença de minerais, especialmente Ferro.

No Brasil, esse tipo de solo aparece nas porções ocidentais dos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo e sudeste do Mato Grosso do Sul, destacando-se sobretudo nestes três últimos estados por sua qualidade.

Historicamente falando, esse solo teve muito importância, já que, no Brasil, durante o fim do século XIX e o início do século XX, foram plantadas nestes domínios, várias grandes lavouras de café, fazendo com que surgisse várias ferrovias e propiciasse o crescimento de cidades, como São Paulo, Itu, Ribeirão Preto e Campinas. Atualmente, além do café, são plantadas outras culturas.

O nome terra roxa é dado a esse tipo de solo, devido aos imigrantes italianos que trabalhavam nas fazendas de café, referindo-se ao solo com a denominação Terra rossa, já que rosso em italiano significa vermelho. E, devido a similaridade entre essa palavra, e a palavra “roxa”, o nome “Terra roxa” acabou se consolidando.

O solo de terra roxa também existe na Argentina, aonde é conhecida como “tierra colorada”, bastante presente nas províncias de Misiones e Corrientes.

O solo é um grande filtro

Para que se obtenha plantas saudáveis e uma horta produtiva é necessário que o solo contenha água. A capacidade de retenção de água depende do tipo de solo. A água, por ser um líquido solvente, dissolve os sais existentes no solo, e assim as plantas podem absorvê-los

Nem toda a água da chuva flui diretamente para os córregos, riachos e rios. Quando chove, parte da água infiltra-se e vai penetrando na terra até encontrar uma camada impermeável, encharcando o solo. Por exemplo, 1 metro cúbico (1m³) de areia encharcada pode conter até 400 litros de água.

O ar também ocupa os poros existentes entre os grãos de terra. As raízes das plantas e os animais que vivem no solo precisam de ar para respirar.

 


Esquema mostrando camadas do solo e subsolo, em corte.

Quando o solo se encharca a água ocupa o lugar antes ocupado pelo ar, dificultando o desempenho das raízes e a vida dos animais no solo.

Se o solo estiver muito compactado, não filtrará a água com facilidade. Acontecerão, por exemplo, as grandes enxurradas após uma forte chuva. A urbanização, com a pavimentação de ruas e estradas, a canalização de rios e o desmatamento de grandes áreas dificultam o escoamento da água das chuvas.

TIPOS DE SOLOS DO BRASIL

Resultado da fertilidade da terra roxa.
Resultado da fertilidade da terra roxa.

Solo corresponde à decomposição de rochas que ocorre por meio de ações ligadas à temperatura, como o calor, além de processos erosivos provenientes da ação dos ventos, chuva e seres vivos, tais como bactérias e fungos.

O Brasil se destaca como grande produtor agrícola, fato proveniente do extenso território e também da fertilidade do solo.

Em razão da dimensão territorial do Brasil é possível identificar diversos tipos de solo que são diferenciados segundo a tonalidade, composição e granulação.

No Brasil são encontrados quatro tipos de solo, são eles: terra roxa, massapé, salmorão e aluviais.

Terra roxa: corresponde a um tipo de solo de extrema fertilidade que detém uma tonalidade avermelhada. Pode ser encontrado em Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul e São Paulo. É originado a partir da decomposição de rochas, nesse caso de basalto.

Massapé: é um solo encontrado principalmente no litoral nordestino constituído a partir da decomposição de rochas com características minerais de gnaisses de tonalidade escura, calcários e filitos.

Salmorão: esse tipo de solo é encontrado ao longo das regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste brasileiro, é constituído pela fragmentação de rochas graníticas e gnaisses.

Aluviais: é um tipo de solo formado em decorrência da sedimentação em áreas de várzea ou vales, é possível de ser encontrado em diversos pontos do país.

Por Eduardo de Freitas
Graduado em Geografia

Filed in: Agricultura, Geologia, Solos

One Response to “Solo: Formação e tipos de solo.”

  1. Alguém
    27 de agosto de 2013 at 15:11 #

    VASENDO UM TRABALHO KKKKKKKKKKKKK

Leave a Reply