11:27 pm - domingo abril 20, 2014

Teoria da Deriva Continental

A teoria da Deriva Continental foi proposta em 1912, pelo cientista alemão Alfred Wegener, dizia esse que há milhões de anos havia um só continente chamado Pangéia que era cercado por um só oceano denominado Pantalassa. Em tempos anteriores à teoria da Deriva Continental surgiram outras teorias propostas por cientistas que também perceberam o fato, mas não obtiveram êxito em suas descobertas, pois essas não repercutiram.

Segundo a Deriva Continental, a Pangéia teria se rompido vagarosamente dividindo-se em dois continentes denominados Laurásia, localizado ao norte, e Godwana, localizado ao sul. Baseando-se nos perímetros africanos e brasileiros, foi observado que esses poderiam se encaixar perfeitamente, dando a confirmação de que os continentes se romperam e que continuaram a formar novos continentes, resultando no que percebemos nos dias de hoje.

Como conseqüência destes rompimentos, os oceanos também sofreram divisão obedecendo as transformações provocadas pelas massas dos novos continentes. Ainda para apoiar a teoria, fósseis de igual espécie foram encontrados em diferentes continentes. Pelas características da espécie foi possível afirmar que estes não conseguiriam atravessar o oceano Atlântico para chegar ao outro continente a menos que fizessem parte de um mesmo continente, há milhões de anos, quando viveram.

Laurásia e Gondwana

Há 200 milhões de anos existia um único supercontinente: o Pangéia. Ele se fragmentou há 130 milhões de anos em Laurásia (América do Norte e Eurásia) e Gondwana (América do Sul, África, Índia, Austrália e Antártida) e, há 84 milhões de anos, houve a separação entre a América do Norte e Eurásia e entre a América do Sul, África, Oceania e Índia, que se tornou uma ilha no oceano Índico.

Por fim, a Índia colidiu com a Ásia, juntando-se ao continente, conforme figura abaixo:

A Teoria da Deriva Continental, segundo Alfred Wegener os continentes nem sempre foram como na atualidade, no princípio todos estavam unidos na Pangéia. Depois foram se afastando formando a Laurássia e Gondwana, e após milhões de anos chegou ao que é hoje.

Isso se deve ao fato de a crosta terrestre ou Litosfera ser fragmentada e estar em movimento por causa das correntes de Convecção do Magma, nas quais o magma frio desce em direção ao núcleo e o quente sobe. Muitos vestígios comprovam a deriva continental, como a presença de mesmas espécies em diferentes regiões como Brasil e África; encaixe dos continentes e fósseis.

Somente em 1912 é que a idéia do movimento dos continentes foi seriamente considerada como uma teoria científica designada por “Deriva dos Continentes” e publicada em dois artigos pelo meteorologista alemão Alfred Lothar Wegener. Ele argumentou que há cerca de 200 milhões de anos, ainda na Era paleozóica, havia um supercontinente “mãe” – Pangéia – e um gigantesco oceano chamado Pantalassa.

O Pangéia começou a fraturar-se, primeiro se dividiu em dois grandes continentes, Laurásia e Gondwana. Entre os dois, formou-se um mar relativamente raso: o Mar de Tétis.

Laurásia e Gondwana continuaram então a fraturar-se ao longo dos tempos, dando origem aos atuais continentes. A Índia, por exemplo, soltou-se de Gondwana formando uma ilha. Na Era cenozóica as formas dos continentes começaram a se assemelhar às formas atuais.

Estudar para prova: Tipos de Placas e Movimentos:

* Convergente - as placas movem se uma em direção a outra, provocando choques que originam tremores, podem ocorrer zonas de subducção, nas quais uma mergulha sob a outra, gerando a formação de cadeias de montanhas como a Cadeia do Andes e dos Alpes; ou ainda nas colisões continentais, formando grandes sistemas de cadeias de montanhas, como a Cadeia do Himalaia.

* Divergentes - ocorre a movimentação das placas em direções opostas, nestas regiões há formação de novas rochas litosféricas que empurram as antigas, em processo denominado de expansão do assoalho oceânico, estes locais são chamados Dorsais meso-oceânicas pois também formam cadeias montanhosas no fundo dos oceanos.

* Transformante - na qual duas porções de uma mesma placa movimentam-se com velocidades diferentes, ocasionando uma falha, como a Falha de San Andreas, na California.


Filed in: Geologia

11 Responses to “Teoria da Deriva Continental”

  1. margarida
    3 de abril de 2012 at 13:46 #

    gostei muito:)

  2. naiara
    5 de abril de 2012 at 16:19 #

    Me ajudou muito…

  3. Gustavo
    11 de abril de 2012 at 21:07 #

    Gostei!! ajudou pelo menos eu naum apreso na escola sem ter feito o dever kkkkk

  4. bia
    6 de maio de 2012 at 22:18 #

    muito legal me ajudou tanto ninguém imagina!!

  5. 16 de maio de 2012 at 21:39 #

    vlw me ajudou com uma pesquisa mto importante !!! valendo 9 pontos!!!!!!!!!!!!

  6. ana
    6 de junho de 2012 at 18:13 #

    blz me fez entender sombre muito de geografia em partes ex: ateoria da deriva continental.

  7. 5 de agosto de 2012 at 13:46 #

    valeu! Tenho um trabalho importantíssimo pra fazer! Me ajudou mto!

  8. sarah
    26 de agosto de 2012 at 21:29 #

    eu gostei munto dessa pesquisa ele me ajudou munto no eu trabalho da escola.

    • 26 de agosto de 2012 at 22:35 #

      valeu! tenho um trabalho importantíssimo pra fazer para secola para a manhã ! me ajudou mto!

  9. nirvana
    27 de março de 2013 at 11:14 #

    me ajudou a estudar pr prova :)

  10. laura
    31 de maio de 2013 at 14:46 #

    ♥isso me ajudo bastante para fazer um livro como trabalho de geografia vlw. ♥

Leave a Reply